Diário de Bordo

  • Dia 1 - Terça feira, 11 de julho de 2017

    Primeiro dia de contacto com todos os participantes neste curso. Trata-se de um grupo bastante homogéneo onde todos são professores. Estão representados quatros países, Portugal, Bulgária, Polónia e Eslovénia. O local da formação é um espaço bastante interessante de coworking, onde trabalham diversas pessoas de diferentes áreas e países. O nosso anfitrião é Austríaco e desenvolve plataformas em Oracle. A sessão de trabalho começou com as normais apresentações de todos os intervenientes. Os dois formadores representam a agência de formação romena, Dominou Association. Seguiram-se inúmeras dinâmicas de grupo onde foi possível conhecer melhor cada um, quais as suas expectativas e receios. O entrave da língua ainda é uma dificuldade bastante comum. Não nos foi pedido para apresentar as escolas nem o nosso sistema de ensino, pelo que irei procurar conhecer melhor tudo isto por minha iniciativa. Após um batalhão de dinâmicas de grupo e do merecido almoço, foi-nos proposto mais um jogo agora no exterior. Esta formação irá centrar-se essencialmente no desenvolvimento e partilha de métodos para um ensino não formal, sem estar tão alicerçado aos métodos tradicionais, onde o currículo é a bíblia sagrada. Parece-me interessante. Descontração, motivação e descoberta foram as palavras chave deste dia. As sessões terminam às 14h, pelo que temos bastante tempo livre para conhecer a cidade. Uma cidade cosmopolita, suja, quente e cheia de história. Os eventos culturais são uma constante. Historia com antecedentes romanos e muçulmanos faz desta cidade um ponto de interesse que vale a pena visitar. A cidade respira Picasso. Aqui nasceu o maior nome da história recente da pintura. O museu de seu nome é uma obra prima, bem como a casa onde nasceu e cresceu. Vale a pena visitar. As ruinas romanas de Alacazabar e o castelo gibralfano são dois ex-libris desta curiosa cidade. O hotel onde me encontro situa-se a quatro quilómetros do centro e fica numa zona universitária, cheia de vida e animação. 

    Dia 2 – Quarta feira, 12 de julho de 2017

    Neste segundo dia, surpreendentemente as dinâmicas de grupo continuaram. As minhas expectativas começavam a ficar aquém. Mas em breve a minha opinião mudaria. A minha integração no grupo começa agora a ser melhor. O meu receio pela dificuldade na língua deixou-me ansioso. No entanto hoje já comecei a ter mais facilidade em articular verbalmente alguns dos meus pensamentos. Após algumas dinâmicas, começamos a explorar a vertente informal do ensino onde desenvolvemos ideias relativas aos interesses, necessidades e desenvolvimento social dos alunos. O grupo foi dividido e o meu grupo começou por abordar a Comunicação em contexto do ensino, formal e não formal. Defendemos algumas técnicas que permitem perceber de que forma o processo de comunicação passa a ser um factor chave num ensino não formal. O poder das palavras, saber ouvir e abstrair-se do ruído, controlar a mente para saber ouvir a mensagem tal como ela é realmente, foram as ideias principais deste dia. O feedback é uma ferramenta fundamental para o analisar de um comunicação correta. Fizemos alguns jogos onde podemos constatar os conceitos teóricos abordados. A sessão terminou com uma dinâmica no exterior, nos jardins das palmeiras em frete ao porto de Málaga, onde podemos interagir uns com os outros por forma a evidenciar lacunas no processo de comunicar. Terminada a sessão, mais uma tarde para conhecer a cidade e experimentar a deliciosa gastronomia malaguenha.

    Dia 3 – Quinta feira, 13 de julho de 2017

    Os trabalhos prosseguiram neste dia quente, quente. Alias, tem sido comum a todos os dias uma temperatura elevadíssima e uma humidade alta. A sessão começou com exemplos que podemos pesquisar de exercícios não formais de integração, mais conhecidas por dinâmicas de grupo. Definiu-se depois como se iria organizar a visita a Gibraltar. Ficou marcado para segunda feira, sendo que os conteúdos de segunda passam para terça feira. O dia cultural de sábado também foi alinhavado. Parece-me existir alguma desorganização desta agencia Dominous no que diz respeito a pormenores do programa que já deveriam estar definidos. Intervalos de dez minutos a meio de sessões de trabalho de seis horas, não me parece de todo razoável. O coffee break também poderia ser digno desse nome. Nada para comer, nada para beber. Resta-nos o mercado ao lado do edifício. Voltando à sessão, esta prosseguiu com um ice breaking zip zap que serviu de suporte à exposição teórica sobre comunicação e os diferentes tipos, como a não verbal, verbal, formal e informal. Muito interessante. Percebemos com mais um jogo, a importância que tem o ruído na forma de comunicar. Palavras chave: o mais importante na comunicação é ouvir o que não é dito. Linguagem corporal, expressões faciais, gestos, espaço pessoal alguns dos tópicos abordados. Seguiu-se uma apresentação sobre os tipos de comunicação: passiva, agressiva, passiva assertiva e assertiva. Foram feitos alguns jogos para demostrar estes tópicos. A disseminação foi o tema seguinte e aquele que me despertou mais interesse. Foram abordadas diferentes formas de disseminar estes projetos, bem como perceber a sua importância. Fiz trabalho de par com a colega da Eslovénia para simular a disseminação daquela sessão. Foi muito interessante. E finalmente os sistemas de ensino de cada país. Não se esqueceram e ainda bem. Apenas dois países apresentaram e já deu para perceber as enormes diferenças entre eles. Apresentei o de Portugal e a colega búlgara o da Bulgária. Foi um momento tenso para mim dada a minha dificuldade com a língua mas fui tentando passar a mensagem. Ficaram surpresos com a quantidade de exames que aqui em Portugal os alunos estão sujeitos. Terminada a sessão, tempo para explorar a vida gastronómica desta região e um pouco mais da vida de Pablo Picasso, nascido aqui.

    Dia 4 – Sexta feira, 14 de julho de 2017

    Tal como em todas as sessões anteriores, a pontualidade é britânica. O que não deixa de ser surpreendente para o comum português, mas é bom que assim seja. A sessão se hoje começou por se ajustar todos os pormenores relativos à saída a Gibraltar. Em seguida, os professores de Polónia, Roménia e Eslovénia apresentam os seus sistemas de ensino. A sessão prosseguiu com a interculturalilade em cima da mesa. Foi a sessão mais interessante para mim porque pude constatar as diferenças a vários níveis dos países presentes, como a cultura, costumes, práticas educativas, etc. Foram feitos alguns jogos no sentido de aliviar a carga teórica e que funcionaram muito bem. No final fizemos uma troca de presentes. Cada participante trouxe uma lembrança típica do seu país. Muito interessante. Palavra chave da sessão: diferenças idênticas. A tarde dediquei me a explorar a cidade mãos uma vez. Já não me resta muito a descobrir, ou talvez esteja enganado... 

    Dia 5 – Sábado, 15 de julho de 2017

    Visita a Marrocos. Visitamos Tangêr, uma cidade bastante ocidentalizada já com uma arquitectura descurada dos traços comuns árabes. Ficamos a conhecer algums dos seus costumes, como a gastronomia, comércio e hábitos sociais. Muito cansativo mas muito produtivo.